quarta-feira, 26 de outubro de 2011

RESTAURANTES – TEMAKERIA E CIA E CHEZ FABRICE


Comer é além de uma necessidade, um prazer. Se assim não fosse, com certeza não teríamos tamanha variedade de alimentos e tanta gente que ganha dinheiro com isso, seja sendo Chef e realizando os pratos, como as pessoas que gostam de conhecê-los e experimentá-los.

Eu sou uma pessoa que aprecia muito uma boa alimentação, desde coisas naturais até fast food. Por isso, me enquadro naquela população que além de estar cima do peso – pois sempre comi muito bem, desde pequena! Risos – adora conhecer locais novos para se alimentar.

Conheci dois restaurantes:
1)      TEMAKERIA E CIA – Unidade na R. Henrique Monteiro, nº 70 – Pinheiros

Lá eu adorei. A comida em si é uma delícia, e o ambiente é super descolado, decorado com umas mesas estilo anos 50/60, paredes coloridas. Tanto garçons como atendentes são super carismáticos, fui muito bem atendida. Fica a dica para ir jantar num sábado a noite,  antes de emendar uma baladinha com os(as) amigos(as) ou para namorar e curtir um bom momento a dois.

2)      CHEZ FABRICE – Rua Mourato Coelho, nº 1.140 – Pinheiros

Lá o ambiente é bistrô, ou seja, pequeno e aconchegante. O local é decorado com fotos de objetos retro, no idioma francês. Os atendentes são maravilhosos, super atenciosos. Fica a dica de uma sobremesa EXCEPCIONAL que comi lá, que é uma torta de maçã com canela e sorvete de creme...Hum...E a carne contra-filé foi no ponto, direitinho, do jeito que eu gosto, com delicioso molho gorgonzola.

Obs: Em termos de preço, o Temakeria é mais em conta. Porém, o Chez Fabrice está com uma promoção, que tudo o que você consome, ganha de desconto numa próxima visita. Ex: Se você consumiu R$ 50,00, na próxima vez que voltar lá vai ganhar isso de desconto.  Não sei por quanto tempo permanecerá essa promoção, melhor perguntar aos mesmos diretamente, ok? 

LIVRO ‘NÃO COMI, NÃO REZEI, MAS ME AMEI’ – GISELA RAO



Gente,

Eu estou num processo hiper  ‘viajante’ – para quem está de fora da minha vida deve ser um saco, mas para mim é muito gostoso! Risos – de mudança interior. Então, me observo muito, mas muito mesmo.  Relaxem que não é nada obsessivo, estilo Gollum, personagem da saga Senhor dos Anéis – ‘My Precious’ – mas é um momento de observação e ponderação. Saber meus limites, onde me dói, onde tem ego, onde não tem, enfim, revirar tudo lá de dentro.

E num desses dias de observação, estava muito cansada, voltando do curso Técnico em Contabilidade. (Obs: O que acho bom nesse momento do curso, é que as meninas que conversam comigo passaram pelo MESMO PROCESSO que eu. Estamos no curso visando não só carreira, mas fomos movidas internamente por uma necessidade de ‘ter’ uma carreira. Sabemos internamente, que o curso não supre nossos anseios, aquilo que realmente queremos e/ou acreditamos, mas nos dá um direcionamento de mercado. Sei que esse discurso não é o que de fato faz a vida valer a pena – afinal, estamos no curso errado, por assim digamos! Risos – mas enfim, entramos nessa, e vamos até o fim.) Até que, meu lado ‘criança interior’ sentiu muita vontade de comprar um livro novo na Super News, local que amo comprar livros e/ou revistas.

Daí, me deparei com o curioso livro ‘Não Comi, Não Rezei, mas me Amei’ – de Gisela Rao, Publicitária. Eu não conhecia seu trabalho, mas minha irmã comentou que já havia lido seu Blog e tinha achado muito bacana.
Eu comprei o livro, e relaxei bastante, nas primeiras páginas a gente já se identifica com a autora. Ela expõe uma espécie de diário particular de 365 dias falando sobre a auto estima. Inclusive, ela tem um Blog sobre isso, chamado ‘Vigilantes da Auto Estima’, que é muito bacana.

O nome do livro tem conotação com ‘Comer, Rezar e Amar’ de Elizabeth Gilbert, que passou um ano em profundo processo de autoconhecimento, assim como a autora Gisela.
Altamente indicado a toda mulher que quer se conhecer, se divertir, e ao mesmo tempo, levar uma motivada legal para prosseguir com seus sonhos.

“É na simplicidade das pequenas coisas, que se encontram as grandiosidades da vida...”(Essa frase é de minha autoria tá? Risos)

Eventos: Mystic Fair 2011 e Terraço Itália


Gentem,
Saudades máster de escrever aqui !!! J
Bom, o lado positivo dessa ausência é que sempre volto com novidades de locais e acontecimentos... TUDI DE BUENO !!

MYSTIC FAIR 2011 – FANTÁSTICO !!

Bom, eu me surpreendi muito com a Mystic Fair. Primeiro, que esperava algo menor do que encontrei. Segundo, que esperava menos variedade de objetos e tratamentos, e foi o oposto, MUITA, MAS MUITA COISA havia lá que eu desconhecia.

A Feira ocorreu na Unicsul, unidade Anália Franco, na Zona Leste de Sampa. Pegamos uma van gratuita do metrô Carrão, e lá fomos – Eu, meu amor, e meu amigo.

A organização que estava em ‘peso’ lá era a Escola Esotérica, de Daniel Atalla – era impossível não reconhecê-los com roupas pretas e com pentagramas pendurados em seus pescoços.
Mas, havia muitos outros profissionais fofos e diferenciados – alguns eu já havia encontrado na Expo Alto Astral e/ou na Feira Esotérica Interativa (Juliana Gouveia,  ‘Cigano’ – que eu não sei o nome, mas que vendeu CD´s de música new age ao meu amor na Expo Alto Astral !! Risos – e a própria taróloga e produtora de bijous místicas da empresa Etherea, que é um doce de pessoa.)

Enfim, foi muito gostoso.  Meu amor e meu amigo reclamaram de lá devido ao forte cheiro de incenso, pois ambos tem rinite. Mas, tirando isso, aparentemente curtiram! Risos!
Eu delirei pra valer. Comprei uma toalha para fazer minha leitura de tarô personalizada, um caderno decorado Wiccano – adoro artigos de papelaria! – e um pingente para meu amigo, pois era época de seu aniversário. Também recebi uma aplicação de Cura Prânica ao ar livre, e pude deixar meu pedido para a Deusa Indiana Lakshimi num lindo altar indiano que ficava na porta do evento.

Nota de mais de um milhão para o evento. Torço que o Expo Alto Astral se fortaleça para o próximo ano, e a Feira Esotérica Interativa também. E que esses eventos tragam cada vez mais pessoas voltadas ao autoconhecimento e a luz interior! Que assim seja ! J
Segue abaixo, conforme o prometido, fotinhas do evento.
 Cartaz de Entrada! 
 Eu e Altar para Lakshimi...
Visão de cima, de uma parte da Feira...

TERRAÇO ITÁLIA 

Gentem,

Eu como uma típica paulistana de 26 anos, nunca havia ido no Terraço Itália. Tudo bem que o jantar de lá é caríssimo, mas ao menos o bar eu tinha que ir conhecer. Afinal, é um ícone de Sampa, um cartão postal.  (Minha mãe dizia que meu pai a levou algumas vezes lá, como típico canceriano romântico! – Homens,  se vocês querem levar uma menina num local legal e conquistá-la com lindas palavras, lá é o ambiente PERFEITO - FICA A DICA #) 

Fui com meu amor lá, num domingão, por volta das 19hs. Segue as fotinhas que tirei de meu celular – mas vou tirar fotos melhores com uma câmera, e posto aqui para vocês verem depois.
Lá, você paga R$ 30,00 por pessoa, mais a consumação. Mas garanto que se você quer se distrair, tomar uma bebida gostosa, conversar, lá é o local mais que ideal para fazer isso. O valor vale a pena!

Lá, confesso que para mim, foi uma verdadeira ‘viagem interior’ – ao mesmo tempo em que admirava Sampa, e me recordava dos milhares motivos de agradecer a Deus por ter nascido nessa cidade tão espetacular que eu tanto adoro, também me bateu uma certa dorzinha interior.
Uma dorzinha besta de arrependimento, de ter levado em consideração tanta coisa negativa dentro de mim, por tantos anos. De ter convivido com pessoas negativas por tantos anos e me deixar afetar por elas. De ter deixado de fazer as coisas que eu quero fazer por ego ou medo do que os outros iriam pensar de mim. Até lágrimas caíram – mas foram lágrimas de um desabafo gostoso, aquele desabafo que você relembra que está no meio de um longo caminho de transformação interior.
Lógico que meu amor foi fundamental nesse momento. Meu amor me deixou chorar, me deixou ficar calada naquele momento, só sentindo as emoções transbordarem de dentro de mim.  Num momento como esse, tudo o que eu precisava era mesmo daquele abraço, nada mais.

Acho que todo mundo tem um momento assim – um momento de enfrentar seus sentimentos. Eu confesso que na correria de meu dia a dia, tenho fugido de minhas emoções, de forma a evitar minhas dores. Mas, como diria a minha excelente Professora de Reiki, Paula Vianna, é necessário que exista esse momento, para nos fortalecemos. Pensamos que evitar a dor é vencê-la, quando na verdade, a verdadeira vitória sobre uma dor é olhar para ela, senti-la, e então extrair dela o seu recado e prosseguir.
Enfim, uma indicação profunda de passeio – em todos os sentidos ! J


Seguem fotinhas: 

 A Luz de Velas...
 Eu no sofá da reflexão...
 Tirada foto de onde eu estava sentada - o aspecto amarelado foi da câmera do meu cel...
 Infelizmente, borradinho. Mas vou voltar lá e tiro uma melhorzinha, tá? :( 
Essa ficou melhorzinha ! :)