segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Filmes 2016 - Resenhas

Bom, primeiramente, Feliz Ano Novo à todos(as)!

Que esse ano seja um ano diferente de verdade, e não de mentirinha. Que de fato, a gente faça tudo diferente, para então colher algo diferente do que já temos – afinal, quem fica parado esperando as coisas mudarem não colhe nada. Só quem se movimenta, busca, se arrisca, é quem vai ter mudanças de volta, não é mesmo?

Gente, não sei como foi para vocês o ano de 2016, mas para mim especificamente, foi um dos anos mais difíceis. Não digo que foi o pior pois seria mentira, mas diria que foi um ano em que os acontecimentos externos me testaram muito, para ver se realmente eu iria encarar meus sonhos ou não. A vida me questionando tipo assim: “E aí, vai encarar agora, ou vai desistir?”

Escolhi encarar! Graças a Deus, graças às forças espirituais, e graças a minha terapeuta, tive reflexões certeiras que me fizeram reprogramar minha vida de verdade, dessa vez. Sem enrolações! Apenas deixando ser o que eu quero que seja!

Antigamente, eu achava que meu processo terapêutico teria início, meio e fim. Mas, minha terapeuta já me corrigiu desde aí. Ela disse: ‘Não vai nunca ter um fim, pois nós mudamos o tempo todo. O importante, é sempre você estar caminhando em busca e vivendo daquilo que te potencializa.’ E isso já tirou de mim um grande foco de ansiedade. Afinal, nunca vou atingir a perfeição comigo mesma nem com ninguém, mas sim, vou buscar ser o melhor que puder para mim, e consequentemente, irá acabar sendo bom para os outros também.

Quero expressar que ano passado, fui em poucos eventos. Fiquei mais trabalhando e cuidando do lar (‘mulher recatada e do lar’ – só que não!! Há,há) do que saindo para a farra. Risos. Mas, tem algo que não deixei de lado, que é uma das minhas grandes paixões: assistir filmes e seriados.


O cinema tá muuuuito caro (para quem não tem carteirinha de estudante como eu) e estou mais seletiva, vou assistir somente filmes que realmente me dão um grande feeling interior, ou que tem bastante efeito especial, pois vendo na tela grande é fantástico. Alguns eu acabei deixando para assistir pela Internet mesmo. Mas vou comentar sobre todos os tipos, of course.


Batman vs Superman – A Origem da Liga da Justiça – Dirigido por ZackSnyder

Gente, foi tão engraçado a minha saga para ver esse filme...Meu Deus...Bom, como não haviam boas críticas, e eu não estava feliz com a presença de Ben Affleck como Batman, fiquei enrolando e não vi no cinema, assisti via Internet. E toda vez que iria assistir, algo ocorria – ou estava com sono e dormia, ou a Internet estava ruim, ou alguém me chamava para fazer algo. Foi uma saga que finalmente terminou no meu recesso de fim de ano e assisti!
Eu estava tão ignorante quanto a esse filme, que nem sabia que ele daria o ‘start’ para a Liga da Justiça de forma tão explícita, incluindo a Mulher Maravilha (Interpretada por Gal Gadot) na jogada. Se eu soubesse que ela tinha uma participação tão especial com certeza eu teria assistido antes, pois eu estou ansiosa para vê-la nos cinemas.

Vamos primeiro à sinopse: O Batman e Superman estão se confrontando pois ambos consideram um ao outro como uma ameaça pública. O Batman acha que o Superman pode ser perigoso para o planeta pois tem super poderes e pode a qualquer momento se virar contra os seres humanos. O Superman acha que o Batman é um justiceiro que mata às cegas, sem pensar nas consequências, e faz justiça segundo seus próprios julgamentos pessoais. E eles acabam por se enfrentar. Mas claro que não é só isso, pois, tem o vilão de Superman, Lex Luthor (interpretado por Jesse Einseberg), que é o anjo mal da história toda.

Em relação a minha opinião sobre o filme, achei a proposta interessante, mas com a escolha de atores errados para os papéis principais. Para mim, houve apenas 2 atores que souberam interpretar o Batman – Michael Keaton, que é um marco dos anos 80/90, e Christian Bale, que fez Batman Begins.
Não sei explicar, mas Ben Affleck para mim não convence como super herói. Ele tentou interpretar O Demolidor – Filme, mas achei tão bobo que não deu para levar a sério. Tanto é que até o personagem Demolidor para mim era sem graça. Quando assisti ao seriado O Demolidor na Netflix, interpretado por Charlie Cox, senti a real dor do personagem Matt Murdock, e realmente vi o que era O Demolidor - hoje sou apaixonada por esse personagem.

Quanto ao Superman, tão incrivelmente interpretado por Christopher Reeve no passado, não conseguiu ter um substituto à altura até o momento. O Superman interpretado por Henry Cavillparece um modelo na passarela. Ele fica só fazendo a mesma expressão o filme inteiro. Não dá para sentir muito carisma por ele como Superman. Olha, o Superman pode ser um alienígena lindo, mas ele tem emoções também! Deixaram ele muito ‘mecânico’. Parecia um robô.

Quem salvou o filme para mim foi a Mulher Maravilha. Parece que promete muito ver o seu filme solo, estou ansiosa. Ela mostra um espírito guerreiro, mas ao mesmo tempo, com muita compaixão pelas pessoas. E isso foi bem claro em sua atuação. Achei bacana!
Indico? Sim, indico para vocês assistirem. Até porque, a Liga da Justiça parece prometer boas cenas de ação com a presença de Mulher Maravilha e Aquaman e esse filme mostra o início de tudo. Então...vamobora! 


X Men Apocalypse – Dirigido por Bryan Singer

Gente, que filme bárbaro! Sem comentários! Olha, só posso dizer que os filmes que estão mostrando a origem dos X Men são tão bem feitos que não há como não se apaixonar de verdade. Assisti já a Trilogia – e gosto sempre de revê-los. Bato palmas para a interpretação de Professor Xavier ( interpretado por James McAvoy ) e Magneto (interpretado pelo maravilhoso Michael Fassbender.)

Sinopse: O mutante Apocalypse, extremamente forte pois reúne poderes de vários mutantes,é libertado, e inicia a tentativa de dominar o mundo, unindo os mutantes para se vingarem dos seres humanos. Magneto embarca nesse time, e o Professor Xavier tenta tirá-lo dessa turma e impedir a destruição do planeta.
Vale muito a pena ver!!


Capitão América – Guerra Civil – Dirigido por Joe Russo e Anthony Russo

Outro filme excelente do ano de 2016. Ótimas cenas de ação, e ótima interpretação de Chris Evans, novamente como o Capitão América/Steve Rogers. Porém, mesmo sendo um filme da franquia dele, reúne alguns personagens dos Vingadores, portanto, a sensação é a de que você está vendo um filme deles. Só que não! Rs. 

Sinopse: O Capitão América se vê tentando salvar seu amigo desmemoriado Bucky (interpretado por Sebastian Stan), além de ser contra a tentativa do governo de impor limites aos Super Heróis. Já o Homem de Ferro, Tony Stark (Robert Downey Jr.), acha que esse limite pode ser vivenciado, criando uma divisão no time – tem os que são contra e que ficam do lado do Capitão América, e outros que ficam a favor de Tony Stark. E o confronto de fato acontece entre os dois.
Assistam! 


A Lenda do Tarzan – Dirigido por David Yates

Gente, que filme belo! Uma versão super adulta e bem feita do Tarzan.

Sinopse: O Tarzan (Alexander Skarsgard) vive como John Clayton III na Inglaterra com sua esposa Jane (Margot Robbie). Eles tem uma missão diplomática para voltar para o Congo onde ele vivia, mas sem saberem que na realidade, é uma armadilha para o assassinarem junto à sua tribo.

Super indico assistir! Eu só acho que ficou faltando no roteiro maiores detalhes da vida do Tarzan mostrando sua saída da floresta e o início da cidade grande. Acredito que poderia ter tido mais informações. Mas tem belíssimas paisagens, animais, cenas de luta... E claro né, que ator belo esse, não tem como não admirar. Aff. #prontofalei


Star Trek – Sem Fronteiras – Dirigido por Justin Lin

Sou suspeita para falar da trilogia Star Trek pois sou fã desses novos filmes que saíram. Para vocês terem uma idéia, tinha visto super pouco da série original, quando ainda passava da televisão aberta (se lembram?!), mas toda vez que o episódio tinha o personagem Spock em destaque, eu parava e assistia até o final. He,he. Mas olha, super indico, muito bem feito, roteiro empolgante, ótimas interpretações dos atores.

Sinopse:  A nave USS Enterprise está em seu quinto ano de trabalho de exploração de novos planetas, com Capitão Kirk (Chris Pine) no comando junto a seu fiel amigo Spock (Zachary Quinto) e equipe. Porém, a nave é atacada pelo vilão Krall (Idris Elba) e eles acabam se dividindo para sobreviver.


Esquadrão Suicida – Dirigido por David Ayer

Um dos filmes mais aguardados em 2016, sem sombra de dúvidas. TODO MUNDO falava desse filme muito antes dele estar terminado. Fotos pra lá, fotos pra cá, e a expectativa era muito grande. Eu diria que as pessoas que foram assistir em sua grande maioria nem foram porque são fãs dos personagens, mas sim, devido a curiosidade com o marketing bem feito desse filme.
As expectativas que eu gerei sobre esse filme foram atingidas. Porém, decepcionou à algumas pessoas, que disseram que o filme focou só no relacionamento de Arlequina (Margot Robbie) e Coringa (Jared Leto), e que, as melhores cenas feitas entre os personagens foi cortada do filme. Eu até acredito que isso realmente possa ter ocorrido, pois os dois tiveram uma sintonia muito bacana nas telas, e deve ter saído um material muito bom. Segundo o ator, teria dado um filme só dos dois com a quantia de material que eles fizeram.
Eu particularmente adorei a trilha sonora do filme, adorei as atuações dos personagens (acho que foi o ponto alto do filme com certeza) e fiquei com um gosto de quero mais no final.

Sinopse: O governo resolve juntar uma equipe de criminosos habilidosos que estão presos para combater uma força sobrenatural (Magia – Cara Delevingne) que está ameaçando a cidade. São eles Arlequina (Margot Robbie), O Atirador (Will Smith), El Diablo (Jay Hernadez), Crocodilo (AdewaleAkinnuoye-Agbaje), Katana (Karen Fukuhara), Capitão Bumerangue (Jai Courtney). 


Dr. Estranho – Dirigido por Scott Derrickson

Está aí um filme que me surpreendeu positivamente falando. Não esperava nada muito sério dele, mas foi muito bem feito, tanto o roteiro, quanto os efeitos especiais e até atuações.
Altamente recomendado! Muito leve e gostoso de assistir.

Sinopse: O médico neurocirurgião Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) sofre um acidente, e fica com as mãos debilitadas, o impossibilitando de realizar seu brilhante trabalho. Ele fica revoltado, e em busca de cura vai para um local chamado Kamar Taj em Katmandu, onde  conhece uma monja (Tilda Swinton) que lhe ensina os segredos de uma realidade paralela pautada em energia, no qual vivemos. Após o aprendizado de como lidar com essas energias e poderes, ele se torna o Dr. Estranho, que luta para defender o mundo de invasores dessa realidade paralela.

Obs: Aproveitando para falar sobre o ator Benedict Cumberbatch, acho que ele fica ótimo como vilão e/ou papéis de personagens tensos em geral. Ele tem uma frieza fantástica (conforme demonstrado em Star Trek). Mas, como ator engraçado não dá muito certo... nesse filme em alguns momentos que é meio cômico, não tem como rir dele, e sim da situação em si em que ele se encontra. O assisti também no seriado Sherlock Holmes, mas ele também não convenceu no humor... Enfim, embora digam que um verdadeiro ator não pode se prender a um estilo de atuação, acho que por mais que ele tente, ‘não combina’ sabe? Enfim, minha impressão! 

E vocês, assistiram à todos esses? Caso não, vão em frente! ;) 

Espero que esse ano seja tão bom quanto foi nos filmes esse ano...Adorei!

Beijos com amor,
Ká  

Nenhum comentário:

Postar um comentário