sexta-feira, 30 de junho de 2017

Considerações sobre o livro 'Roube como um Artista', de Austin Kleon


Esse é um post de agradecimento...

Sabe aquele tipo de livro que ‘salva’ sua vida? Aquele livro que te consola, te apóia, quando você se sente oprimido?  Sim, esse é um desses livros.

O livro acima ( vocês viram que fofo meu baby cat Toby de fundo?! #amomuito) é um livro que havia me interessado apenas pela capa. Achei os temas objetivos, e sempre pensava: ‘Nossa, acho que esse livro vai ser uma boa inspiração’.

Porém, foi indo minha vida, e eu sempre deixando de lado as leituras. Tanto é que, tenho vergonha do tempo enorme que levo para atualizar minha estante no Skoob com alguma obra nova, por puro comodismo, pois adoro ler.

Até que, semanas atrás, passei na livraria, e tomei a decisão: ‘Vou comprar e ler esse livro. Sempre digo que vou ler e comprar depois e nunca o faço. Dessa vez, vou dar mais atenção às minhas curiosidades literárias!’ E eis que, a cada página lida, um suspiro de identificação. Um suspiro que dizia: ‘Nossa, entendo perfeitamente o que ele está dizendo! É para mim esse recado!’

E me senti completamente preenchida com força novamente, após terminar de lê-lo!  😊

Além de dar várias dicas de como explorar sua criatividade, o autor nos consola a respeito das famosas ‘regras’ que a sociedade tenta nos impor. Uma dessas regras, que muito me aborrece e me deixa bem incomodada eu diria (tão incomodada que até foi tema de terapia, durante um certo tempo) é a de que temos que seguir apenas UM hobby e seguí-lo. O autor descreve que, ele ama tocar guitarra e ser músico, mas não visando ganhar dinheiro ou ser famoso, mas sim de explorar seu lado musical. Então ele diz para não abandonarmos nossas paixões, se amamos mais de uma coisa ao mesmo tempo, pois todas elas nos inspiram e estão interligadas.

É bem o meu caso. Me considero uma pessoa criativa (no sentido de precisar criar, não estou me elogiando), e que gosta de fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo. Por isso, às vezes em diálogos com colegas, rola um olhar com a sombrancelha levantada, dizendo: ‘Nossa, mas você faz tanta coisa!’ E um riso meio sem graça acompanhando o comentário. Eu fico me sentindo bem ‘alienígena’ quando isso ocorre.😒

Mas após ler esse conselho, acho que ele tem uma sabedoria gigantesca. Sabe, eu amo essas coisas que produzo, as coisas que faço por hobby. Confesso que o ganho financeiro ainda não ocorreu, mas, em breve isso poderá se tornar realidade – ou não. Mas o que mais me importa, ao fim de tudo isso, é saber que fazer essas atividades, fazem o meu eu ser melhor. Eu me expresso através deles.

Uma outra dica de criatividade que ele deu e que para mim foi de grande valia, foi: ‘Escreva aquilo que você gostaria de ler. E não somente o que você sabe.’
Acho que essa dica foi crucial! Afinal, SEMPRE teremos muito a aprender intelectualmente. Podemos ler semanas, meses, sobre um determinado assunto, conversar horas a fio com um especialista, e mesmo assim, estaremos em constante aprendizado. Porém, o que nos marca numa atividade artística, seja ela qual for, é a NOSSA visão sobre o assunto. Isso é o que nos prende afinal.

E a outra dica que me marcou bastante também foi: ‘Não espere você saber quem você é para começar.’ Isso foi um tema que também me consumiu bastante dos 25 anos em diante. Eu achava que tinha que saber quem eu era de qualquer jeito, senão estaria sempre com a sensação de estar perdida.
Olha, até que eu me achei bem, devido aos anos de terapia. Eu me aprofundei até onde nem eu achei que iria, me odiei por um tempo, me aceitei depois ... Mas ao fim, a conclusão que chego é que é impossível nos conhecermos 100%. Sabe por que? Porque estamos em constante MUDANÇA.
A cada situação, a cada experiência nova, a cada decisão tomada, nós mudamos um pouco mais. Somos flexíveis, maleáveis, e vivemos altos e baixos. E cada vez mais, tem vários de nós em nossa própria vida. (Não, não estou falando de bipolaridade, gente, isso é doença...O que falo aqui ainda tem sanidade mental.)

Portanto, se ficarmos aguardando o momento certo de agir...podemos morrer esperando. Pois ele nunca vai chegar. O momento é agora. Se jogue do jeito que dá, e com o que você tem dentro de você de experiência e informação.
Vocês notaram que o tempo está passando rápido demais?! Então, mais um motivo. Precisamos ter a atitude agora pois daqui a pouco tudo isso passa...

Amigos e amigas, esse livro é altamente recomendado. Leiam, tirem suas idéias das gavetas, e mãos à obra!

Beijos de uma eterna empreendedora,
Karen Thiemi 😘